Licenciamento de festas tradicionais e outros divertimentos - Circo

 

  1. Festa Popular/Arraial;
  2. Prova/Passeio Desportivo;
  3. Concerto em espaço público;
  4. Circo;
  5. Festa/Evento em espaço privado;
  6. Espetáculo tauromáquico.

4.  Circo:

Deve requerer:

  1. Licença de Recinto Improvisado/Itinerante/Diversão Provisória - Modelo AT-116

Pode precisar (Ver Faq's infra):

  1. Licença de utilização de espaços públicos – Modelo AT-115 ou Declaração de autorização do proprietário no caso da instalação ser em espaço privado;
  2. Licença Especial de Ruído - Modelo AT-117;
  3. Licença de representação - Modelo nº 66 da Inspeção-Geral das Atividades Culturais – I.G.A.C.;
  4. Licença de Registo de Promotor de Espetáculos através do Modelo n.º 65 (I.G.A.C.);
  5. Autorização do(s) autor(es) ou representante(s) das obras artísticas da Sociedade Portuguesa de Autores (S.P.A.) ;
  6. Licença de Publicidade - Modelo - AT-102;
  7. Pedido de isenção de taxas -  Modelo AT - 125.

Procedimento:

  1. Submissão do pedido;
  2. Verificação dos documentos instrutórios pelo serviço camarário competente;
  3. Análise do pedido, pelo serviço camarário competente;
  4.  Cálculo das taxas, comunicação do deferimento e notificação para o pagamento ao requerente, pelo serviço camarário competente.
  5.  Pagamento efetuado pelo requerente;
  6. Levantamento da licença pelo requerente
Custos:
Tabela de Taxas do Município de Mafra

Prazos:

Prazo mínimo de antecedência do pedido

15 dias úteis

Legislação aplicável:

D.L. nº 309/2002, de 16 de dezembro, na sua atual redação

D.L. n.º 310/2002, de 18 de dezembro, na sua atual redação

D.L. n.º 268/2009, de 29 de setembro, na sua atual redação

D.L. n.º 9/2007, de 17 de janeiro 
D.L. n.º 278/2007, de 1 de agosto

Regulamento sobre o Licenciamento das Atividades Diversas

Regulamento de Ocupação do Espaço Público e de Publicidade do Município de Mafra

O que distingue um recinto improvisado /itinerante/diversão provisória de uma Mera Ocupação de Espaço Público?

Um recinto improvisado apresenta caracteristicas construtivas ou adaptações precárias, sendo montados temporariamente para um espetáculo ou divertimento público específico, quer em lugares públicos quer privados, com ou sem delimitação de espaço, cobertos ou descobertos, nomeadamente tendas, estrados e palcos.

Um recinto itinerante são recintos que possuem área delimitada, coberta ou não, onde sejam instalados equipamentos de diversão com características amoviveis, e que, pelos seus aspetos de construção, podem fazer-se deslocar e instalar, nomeadamente, circos ambulantes, praças de touros ambulantes, carrosséis e pistas de carros de diversão.

Um recinto de diversão provisória são espaços vocacionados e licenciados para outros fins que acidentalmente sejam utilizados para a realização de espetáculos e de divertimentos públicos, independentemente da necessidade de adaptação, nomeadamente, estádios e pavilhões desportivos, garagens, armazéns e estabelecimentos de restauração e bebidas.

Uma mera ocupação de espaço público trata-se de uma utilização privativa de domínio público municipal para determinados fins, nomeadamente, instalação de um toldo, de um expositor ou outro suporte informativo, esplanada aberta, colocação de uma floreira, arcas e máquinas de gelados, que deverão estar em conformidade com as normas regulamentadas pelos municípios, em concreto para este município de acordo com o regulamento de ocupação de espaço público e publicidade do município de Mafra.

Quais as entidades que estão isentas de taxas?

Estão isentas de taxas as pessoas colectivas, públicas ou privadas a quem a lei confira tal isenção.

 

Podem ainda ser isentos os promotores dos eventos de natureza cultural, desportiva, social ou recreativa, desde que as entidades sejam de cariz associativo, públicas, civis ou religiosas, cuja actividade principal seja exercida no Concelho, e desde que as receitas daí decorrentes sejam destinadas a financiar actividades ou investimentos dessas mesmas entidades ou de igual mérito, no âmbito dos repectivos objectos sociais. Despacho n.º 79/2013-PCM, de 2/12/2013.