Avicultura

As aves de capoeira, tal como os humanos, não gostam de viver em stress.
Em avicultura o stress dificulta a função do sistema imunitário e pode provocar grande desempenho nas aves de produção.
Pode resultar de um mau desempenho produtivo, no caso das aves de capoeira, e afectar os padrões de Bem Estar geral, daí a necessidade de se reconhecerem o mais cedo possível esses sinais.
Os avicultores têm mostrado uma certa indiferença para este tema, não compreendendo que o stress veio para ficar como uma ameaça silenciosa para o Bem Estar e desempenho produtivo dos frangos.
Assassino silencioso porque quando as aves estão sob stress raramente exibem sinais dramáticos, donde o problema e os prejuízos que daí resultam não são devidamente reconhecidos e quantificados.
“Stress” é a pressão, peso ou compulsão, quando é necessário muita energia.
Na produção de frangos a ocorrência de condições meteorológicas externas, o corte de bicos, administração de vacinas, alojamento com espaço insuficiente e outras situações capazes de provocar distúrbios nos animais, são factores desencadeadores de situações de stress.
Quando passageiros ou dentro dos limites toleráveis, os animais de capoeira conseguem fazer uso das suas reservas, ajustar as situações mais difíceis e até ultrapassá-las, com pouco ou nenhum dano.
Quando em escala mais intensa ou em maior número num determinado momento é que ocorrem alterações físicas e químicas nas aves de produção de grandes dimensões, com consequências avultadas.
Daí podem resultar estados de imunodepressão, ganho de peso fraco, índice de conversão alimentar elevado e quebra de produção de ovos, em suma, diminuição do Bem Estar geral das aves em produção e também do seu desempenho e rendimento. Funciona como uma resposta das aves na tentativa de lidarem com factores favoráveis que representam uma ameaça à sua sobrevivência.
Os factores que interferem com o Bem Estar das aves de capoeira são chamados stressores ou factores de stress, e o resultado da resposta ou o esforço que é exigido ao frango enquanto tenta lidar com o factor de stress é o que constitui o stress.
Além de tensão, ansiedade, preocupação, medo, incerteza, problema, ameaça, desconforto, pressão, tontura, desafio, dificuldade, aflição, sofrimento, esforço e luta, temos conhecimento que certas emoções como o medo, ansiedade e frustração, trabalham não só na mente como podem provocar doenças físicas.
Os frangos estão sujeitos a estímulos negativos como o medo, choque, desconforto, privação, dor e outros, com resposta negativa.
Isto é evidente em bandos criados com fraco desempenho, sem se encontrar razões óbvias para tal.
As aves de capoeira são muitas vezes tratadas como seres inferiores, considerando o seu limiar de dor e sofrimento muito baixo. É errado, os frangos têm os sentidos físicos razoavelmente bem desenvolvidos, infelizmente não têm a faculdade de “abstrair-se do problema” e imaginar um futuro com as coisas a mudar para melhor.
Em suma, vivem somente o presente e experimentam o imediato, donde serem incapazes de “reconciliar-se com” ou de “aceitar” qualquer experiência negativa mesmo quando é o caso de um procedimento para melhorar o seu estado físico ou de ajudar a sobreviver como no caso da vacinação ou do corte de bicos.
Ultrapassam-nos com ajuda dos processos químicos e físicos, isto é, com o fornecimento de corticosterona, um esteróide da glândula supra-renal, sempre que o sistema de defesa do frango, numa tentativa de esforço de sobrevivência é activado, preparando-se para fazer face a qualquer ameaça.
Convém no entanto distinguir o stress evitável (caso da vacinação, corte dos bicos, apanha para a pesagem ou a movimentação das aves, nível muito alto de produção, taxa de crescimento rápido, etc.) e o que por negligência se impõe desnecessariamente ou por maneio inadequado (excesso de lotação das aves, alterações bruscas ou súbitas, ventilação defeituosa, exposição das aves a condições ambientais adversas, com temperaturas extremas e outras).
A boa gestação da produção exige prevenção para prevenir qualquer tipo de stress evitável e também minimizar o favorável ao stress inevitável.
Do ponto de vista técnico, a hormona corticosterona é libertada pelas glândulas supra-renais quando o corpo das aves se prepara para o síndroma de “voar ou lutar”, o que favorece a ave a lidar com o stress, mas ao mesmo tempo implica um tributo pesado.
Sempre que uma ave se encontra sob stress há uma rápida libertação de glicose no sangue resultando na deflecção de glicogénio (forma de açúcar armazenado no fígado e músculos, como reserva). O nível respiratório é alterado.
Existem também alterações químicas como a alteração do nível de parte dos intestinos, perturbando o equilíbrio da microflora intestinal, ocasionadas por esta hormona.
Por tudo isto, fica facilitado o desenvolvimento de certos tipos de bactérias e fungos, devido ao ambiente fornecido pelas alterações, assim como a ocorrência de doenças gastrointestinais.
O stress causa danos até ao crescimento do embrião, podendo afectar o desenvolvimento futuro da ave adulta.
Esta hormona pode provocar perturbações em vários sistemas virais do frango e fazer baixar a produtividade.
Por os frangos terem recursos limitados, extraídos principalmente da alimentação diária para responder às alterações ambientais, de crescimento, de manutenção e suporte do mecanismo de defesa e reprodução.
Em situações de stress há uma redistribuição ou desvio destes recursos, que incluem energia e proteína, sacrificando a saúde do animal, seu crescimento, reprodução e demais funções vitais.
Existe a tendência de declínio no desenvolvimento das aves reprodutoras, assim como dos padrões de crescimento das aves de capoeira.
A percentagem das aves rejeitadas continua a subir.
A fragilidade do sistema imunitário com a consequente quebra de resistência perante infecções por vírus, bactérias, protozoários e fungos é outra consequência natural do síndrome de stress, assim como a ocorrência de disfunções metabólicas.
Os animais sujeitos a stress antes do abate, acabam por ver afectado o seu nível de qualidade da carne, daí o stress ser uma grande ameaça aos avicultores no campo económico.
A melhor forma de um avicultor responsável de uma exploração avícola lidar com uma situação de stress é manter-se atento ao início de dificuldades das aves ao apresentarem sinais de que tal irá acontecer.
Convém planear as ocasiões em que as aves têm de ser movimentadas ou sujeitas a situações difíceis, embora possam ocorrer quando necessário ou de forma natural, garantindo sempre o conforto e Bem Estar das aves em produção.
Torna-se muito importante reconhecer rapidamente os sinais de stress, por exemplo, a plumagem eriçada/ anormal, mexer na penas com o bico de forma constante, até na ausência de parasitas externos, aumento de atitudes agressivas com picacismo e canibalismo ver as aves desnorteadas, agitadas ou agachadas no solo.
Os atrasos na postura de ovos também pode indicar que as aves se encontram sob stress, o que contribui para manter os seus ovos mais tempo na glândula.
Por vezes as galinhas sujeitas a stress, no período da postura põem ovos com casca de cor mais pálida.
O avicultor deve aprender a fazer escolhas criteriosas nas formulações terapêuticas existentes no mercado, a fim de melhorar a performance do seu bando.
O uso de formulações de vitaminas minerais e ervas em explorações avícolas para combater o stress é muitas vezes incompreendido e usado de forma indiscriminada, utilizando-se de forma contraproducente.
Cuidado, o produtor avícola dá como prioridade o resultado do negócio, em termos económicos, mas os técnicos e especialistas têm obrigação de equilibrar essa perspectiva com métodos que atinjam os mesmos objectivos, mas de menor agressividade.
Existe legislação a controlar o Bem Estar animal, no que diz respeito à protecção das aves nos locais de alojamento, dor desnecessária e estados de aflição ou pânico.
De qualquer modo deve-se facilitar as condições adequadas às nossas aves de capoeira em todas as fases de produção, de alojamento, de maneio e no transporte para o centro de abate, melhorando o objectivo da nossa actividade, contribuindo com melhores resultados para o negócio.
Se por ventura ignorarmos ou se permanecermos insensíveis a qualquer um dos factores que levam ao sofrimento das aves de capoeira em produção, o stress continuará a ser o assassino silencioso das explorações.

 

Aviso:
Gripe das Aves - Comunicado
Gripe das Aves - Anexo

Consulte:
AVISO - Plano de Controlo e Erradicação da Doença de AUJESZKY